Não sei mais, se singulares ou plurais
Entendemos a morte quando entendemos a vida
Questão de confidências estruturais
Precisamos do plural para sermos singulares.

A palavra ressurreição carrega ‘vida eterna’ em marca d’água
A palavra reencarnação sussurra ‘morte eterna’ no som
Questão de confidências, não de palavras, de línguas
Tantas vidas já vivi, esqueci e revivi.

Saudade que fala baixinho não possui honra
A minha grita cuspindo…
Sentimentos, faltas, vontades e até raiva
Enquanto lembranças me assistem e tecem confidências.

Monólogo dói, mas não sei lhe dar com a falta dessa dor
Talvez eu seja a própria dor.
Imploro doer, arder e assoprar, mas não sarar
para assim nunca parar de buscar, honrar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: